Blog

DirectDemocracyS Blog yours projects in every sense!
Font size: +
19 minutes reading time (3876 words)

invasão russa da Ucrânia

Antes de iniciar o nosso artigo, passados mais de 100 dias da invasão da Rússia, rumo à Ucrânia, devemos dar algumas respostas, aos muitos visitantes, que continuam a nos perguntar, qual é a posição oficial do DirectDemocracyS, em relação a este terrível momento histórico.

DirectDemocracyS, e todos os projetos relacionados, e todos os nossos usuários registrados verificados, são, e serão para sempre, contra qualquer tipo de violência. Assim, diante de uma invasão sem outra lógica além de razões econômicas, da Rússia, contra a Ucrânia, contra qualquer ação violenta, mesmo de uma pessoa, contra outra, estamos do lado de quem ela se defende, e não podemos estar, por qualquer motivo, do lado do atacante. Há muitas coisas para analisar, e vamos fazê-lo brevemente juntos, pois nossos grupos especiais, que tratam desse tema, estão apresentando os primeiros resultados de seu trabalho.

Como já foi dito, em várias de nossas comunicações, para nós cada pessoa é importante, esteja conosco ou contra nós, cada população é amada e respeitada por nós exatamente da mesma maneira. Todas as culturas e todas as religiões, todas as línguas e todas as tradições são, e serão para sempre, protegidas e compartilhadas por nós, desde que você não tente parar nenhuma de nossas atividades, e desde que não seja contra nossos ideais, nossos valores e nossas regras de bom senso.

Pessoas, nós as dividimos apenas em boas ou más, inteligentes ou estúpidas, competentes ou incompetentes, honestas ou desonestas, de boa fé ou de má fé.

Não gostamos de generalizar, nem que algumas populações se sintam superiores a outras, não pelo perigo e estupidez de quem generaliza, mas porque nenhum povo é superior, nenhuma religião é melhor, nenhuma cultura é maior, nenhuma língua é melhor. Somos todos parte da grande família mundial, sem povos mais amados pelas divindades e sem ninguém que possa ser considerado melhor que os outros. Talvez mais sorte, ter nascido em uma determinada área geográfica, mas isso também é um fator relativo. Nenhuma religião, cultura, tradição ou pessoa tenta nos deter, ou nos retardar, porque estamos unidos e, sobretudo, porque já previmos e calculamos tudo, e o tempo nos dará razão. Não damos e nunca incomodaremos ninguém, mas ninguém tem o direito de interferir em nossas atividades. Somente nossos usuários registrados verificados, proprietários de cada um de nossos sites e de todas as nossas atividades, poderão influenciar positivamente nosso trabalho comum.

Então, repetimos, amamos os russos e os ucranianos, como amamos todos os outros povos da terra. Não tivemos, não temos e nunca teremos preferência, não discriminamos ninguém, e sobretudo agimos sempre da mesma forma, com consistência: quem praticar atos violentos será condenado por nós, e certamente excluído e imediatamente isolado. Mas cuidado, não o fazemos com toda a população, mas apenas com quem ordena, executa, ou aprova e apoia, iniciativas violentas.

Após essa premissa, vamos analisar brevemente a situação e explicar um pouco melhor nossas posições oficiais.

Quem procura uma motivação geopolítica para a invasão russa contra a Ucrânia nunca a encontrará, porque não existe, por mais que tentem, com resultados que nos façam compreender a sua estupidez, para motivar a escolha de Putin com vários argumentos, e do seu ditatorial e regime oligárquico, para atacar a Ucrânia. Tentam de todas as formas, com frases sem sentido como: se a Ucrânia tivesse aderido à NATO, representava um perigo para a segurança da Rússia. Mas um país com cerca de 6.000 ogivas nucleares e forças armadas como as russas realmente teme por sua própria segurança? Quem diz frases semelhantes ofende a sua própria inteligência e a dos outros. Tente ser uma pessoa séria e, eventualmente, estudar. A Ucrânia, como todos os países do mundo, deve gozar de plena e total soberania, respeito pelas fronteiras, liberdade para decidir independentemente, em quais alianças militares ou em quais mercados econômicos entrar ou sair. Nenhum país, grande ou pequeno, rico ou pobre, poderoso ou fraco, tem o direito de decidir o destino de uma população ou de um país.

Ou, alguns "analistas incapazes" criticam o fato de que os confrontos no Donbass, depois de mais de 8 anos, tiveram que ser interrompidos, para defender populações minoritárias, e em alguns casos em certas áreas majoritárias, do "bullying do governo ucraniano" . Os confrontos nas áreas pró-Rússia foram recíprocos, e não apenas de um lado para o outro. As resoluções de conflitos são feitas com diplomacia e com política, quando têm que ser feitas. Se não houver negociações e encontros bilaterais, significa que os donos do mundo já decidiram, e que o destino está selado para todos. Quando há o primeiro ataque, em vez de um compromisso, significa que os negócios vão bem, para muitos desses seres não humanos, que impulsionam a economia mundial. Os confrontos étnicos, muitas vezes criados artificialmente, são usados para criar as condições para a ação militar.

Por outro lado, quem procura razões históricas ou culturais, se investigar a fundo, encontrará apenas 2 países e 2 povos irmãos, que se transformaram em Caim e Abel, para enriquecer os produtores de armas e as empresas de reconstrução (porque há 2 vezes com conflitos), então só pela ganância, e pela crueldade de poucas pessoas, muitas pessoas sofrem. Portanto, se queremos ser precisos, acrescentemos às causas, a sujeição total da política mundial, ao poder econômico. Mas certamente não começou agora, esta política serve as potências fortes, a história está cheia de exemplos assim.

Putin e seus colaboradores, talvez voluntariamente, porque afinal lhes convém modernizar e renovar os arsenais militares, caíram na armadilha do Ocidente (que são mestres em organizar conflitos para favorecer alguns criminosos), ou estão cúmplices eles também, os russos, deste conflito organizado. A nossa afirmação é inegável, pois basta olhar para que tipo de armamentos antiquados ocorreu a primeira parte do conflito.

Quando a Rússia começou a reunir tropas na fronteira ucraniana, um presidente dos Estados Unidos digno desse papel voaria para Moscou para evitar um desastre. Mas não, porque os presidentes das duas superpotências, em quase toda a sua história, são, foram, e até ganharmos as eleições nos dois países, serão para sempre escravos dos seus senhores, que têm outros interesses. Não convinha a ninguém parar e impedir a guerra, porque se não o tivessem feito na Ucrânia, teriam encontrado outros países para condenar. Não escrevemos nada sobre a Europa, ou melhor, sobre a União Europeia, porque eles estão tão divididos em tudo, que poderiam facilmente mudar o nome para Europa Dividida, faria mais sentido. Assim, os 2 presidentes das 2 superpotências militares não se encontraram pessoalmente, mas nem por videochamada, talvez ao vivo em todo o mundo, para dar a conhecer todas as verdadeiras razões e os enormes interesses por trás desta e de outras guerras. ? A população mundial merece saber o quanto esses 2 incapazes são escravos do poder econômico, e como não merecem representar as populações que neles confiaram. 2 populações, russa e americana, compostas por 99% de pessoas boas, mas é o 1% (os maus e poderosos) que move as cordas destes 2 fantoches, que só servem de figura de proa para quem decide o destino de o planeta. A população mundial merece saber a verdade, porque somos nós, a população, que devemos decidir, e não nossos “representantes”, que agimos e tramamos nas nossas costas. Somos nós que nos assustamos com a ameaça de uma guerra nuclear, que destruiria grande parte da humanidade, e somos nós que devemos exigir suas explicações, suas desculpas e, sobretudo, sua resignação.

A China, que teria a possibilidade econômica de parar tudo, certamente se não o fizer, terá suas razões. Temos certeza de que esse caos, esses preços que empobrecem todos (com exceção dos ricos), esses aumentos de matérias-primas, combustíveis, combustíveis e, consequentemente, energia, e produtos de todos os tipos, principalmente bens de primeira necessidade, tornam conveniente para os chineses. Com milhares de empresas falindo, e elas podem ser compradas a preços ridículos, nossos amigos chineses, ou melhor, a máfia chinesa, ganharão muito dinheiro, sem nenhum esforço.

Você percebe que se não estivéssemos todos assustados com a possível guerra atômica, para aumentos semelhantes já estaríamos todos nas ruas em vários países protestando, e pedindo apenas ajuda, dos criminosos que nos governam em todos os países do mundo. Sim, queridos amigos, não podemos defini-los de outra forma, pois estão obviamente e inevitavelmente reduzindo nosso poder de compra. Mas não se preocupe, assim que chegarem as próximas eleições, nos vários países, e depois de terem tirado 100, eles nos darão 20, e nós, como sempre, cairemos na armadilha, dando-lhes o poder de representar nós nas instituições e decidir por nós.

Mas isso, só você, nós da DirectDemocracyS e todos os nossos projetos relacionados faremos isso, temos outros métodos. Você os conhece bem e sabe que somos os únicos no mundo, verdadeiramente livres, e os únicos que praticam a palavra democracia. Nós somos os únicos que temos o direito de nos considerarmos democráticos, devem dizer os outros, de sermos apenas parcialmente democráticos. Caso contrário, se eles lhe disserem que você vive em uma democracia, eles mentirão para você e você cairá nessa. Na DirectDemocracyS não caímos mais nessa, ao invés de votar em qualquer partido político, ou representante político, da política atual ou passada, preferimos ficar em casa, e não ser cúmplices de quem rouba seu poder de decisão. Queremos novas pessoas, honestas e competentes, que façam exatamente o que prometem, e apenas o que nós e você mandamos fazer.

Após a invasão, porém, a raça humana deu o seu pior, tanto pela morte, violência, medo, mas também com ameaças mais ou menos veladas de usar armas nucleares, e nos fazer fritar, no caso de intervenções "não planejadas". Esta ameaça de Putin, e seus asseclas, esperamos que não seja esquecida por nenhum de nós. Na hora certa, e certamente chegará a hora certa, que vem para todos os tiranos, eles terão que se arrepender de semear mortos, feridos e assustadores bilhões de pessoas.

Quero dizer, nós realmente temos que viver com medo, por 1% das pessoas mal-intencionadas na Terra? Aguardamos o momento em que nós, e aqueles que se juntam a nós, mudaremos e melhoraremos o mundo, lançaremos luz todos juntos, sobre tudo o que há para saber. Seremos capazes de encontrar, julgar e punir todos os culpados e seus cúmplices.

A trama para começar as guerras é sempre a mesma, provocações de vários lados, e depois várias atividades dos serviços secretos, conselheiros políticos incapazes, e então começa. Todo o inferno começa e, para variar, aqueles que perdem são sempre as pessoas boas.

Escolhe-se um país ao acaso, criam-se tensões entre várias etnias, ódio, uns feridos, outros mortos, alguns políticos, que em busca da fama se aproveitam dele, como um chacal ou um abutre, algum cidadão com sede de vingança, algum nacionalista perdedor, e o campo de batalha está pronto.

As falsas negociações entre a Rússia e a Ucrânia, no início da invasão, em que ninguém acreditava, os vários telefonemas, a política mundial poderiam muito bem mudar de emprego, e começar a trabalhar, no mundo do entretenimento. Com todo respeito, por todos os grandes atores, mas não há atores melhores do que esses políticos, a velha e a atual política.

Alguns vão nos perguntar: e a Europa? A Europa finge estar unida. Mesmo que não seja, no entanto lança sanções que não contam para nada, prejudicando, em primeiro lugar, a si próprio e aos seus cidadãos. As sanções servem apenas para colocar Putin e seus servos em seu próprio país.

Todos falando em dar armas e colocar sanções. Mas mesmo de forma trágica, contra a cultura e o esporte russos, que não têm culpa, se são liderados por um ditador tirano, e seu país está nas mãos de oligarcas de proa, que controlam e administram à vontade, sem nenhum mérito , quase todas as riquezas da Rússia. Mas certamente teríamos preferido uma resposta do Ocidente, para sentar à mesa e encontrar uma solução diplomática. Mas convenhamos, há quem acredite que a luta armada incomoda algum líder de algum país? A guerra é conveniente para todos, exceto para as populações civis, e para os pobres soldados, enviados para se matar, para orgulho de alguns criminosos e para enriquecer pessoas que não a merecem.

Muitos dirão que o povo ucraniano deve ser ajudado a se defender. E está certo, nunca estaremos do lado de Golias, mas do lado de Davi (e, portanto, a funda deve ser dada a Davi). Não podemos torcer pelo valentão, mas, logicamente, temos que torcer pelo valentão. Obriga-nos no bom senso e na razão. Como animaríamos alguém atacado dos Estados Unidos ou de qualquer outro país.

Então, queridos amigos, para ajudar a Ucrânia a se defender, é uma obrigação moral, de cada país e de cada cidadão da terra, enviar armas e pessoas, lutar pela liberdade e independência do país que sofre . a invasão. Sim, sempre estamos do lado de quem é atacado, não há motivo aceitável, para causar vítimas e ferimentos. As provocações não existem, ou melhor, são criadas com muito cuidado, para justificar guerras. Para legitimar algo que nenhum homem de bom senso pode aceitar. Violência, quem a comete deve ser condenado.

Quando vemos e lemos sobre pessoas torcendo pelos bandidos, ficamos emocionados. Há pessoas que justificam o ataque russo de maneira original, mas sem sentido. Há quem diga frases como: mandando armas, a guerra vai durar mais, e haverá mais vítimas. E, em vez disso, deixar a Ucrânia sozinha para sofrer a invasão e perder sua liberdade, sua soberania, sua independência, sem qualquer ajuda, é um gesto de bom senso? Para falar sobre certas coisas, para escrever besteira, você deveria estar na pele do povo ucraniano. E na pele de todos os povos em guerra. Assaltados, mortos, feridos, estuprados, com refugiados e pessoas que vivem dias, semanas, meses e talvez anos de terror. Você deve fugir toda vez que o alarme antiaéreo disparar, em estações de metrô, em abrigos, superlotados, sem eletricidade, água, banheiros em ruínas e o medo constante de cair sob os escombros. Você deve sentir na pele, a falta de água para beber, de comida, o frio. Você também deveria ter pesadelos e ter que pagar por anos, psicólogos para você e para sua família.

E então, vamos inverter um pouco os papéis: se seu país, seja ele qual for, fosse invadido, você receberia o invasor de braços abertos, você daria suas bisavós, avós, mães, esposas e filhas, para serem estupradas pelos militares invasores. , você daria todas as riquezas de seu país para estrangeiros, você ficaria parado para ver seu país destruído e bombardeado, para ver seus parentes e amigos morrerem. Você esperaria pelo seu fim, com uma flor na mão? Ou pediria a cada país vizinho que o ajudasse a lutar pela sua liberdade e a das gerações futuras? Você vê, agora você entende, esperamos definitivamente, porque o envio de armas, para se defender, e a libertação da Ucrânia, é um dever de todos os países civilizados do mundo.

Como será obrigatório, para qualquer ataque, e para qualquer forma de violência, seja quem for. E nós, da DirectDemocracyS, garantimos isso e sempre ajudaremos qualquer pessoa em dificuldade.

Vamos apenas torcer para que seus avós, ou bisavós, ou tataravós, que lutaram pela liberdade, e contra o extermínio de raças inteiras, e guerras de agressão, não tenham vergonha dos descendentes estúpidos que eles têm agora , em muitos países em que pessoas sem o mínimo de dignidade humana dizem: afinal, Putin também tem suas razões. A luta pela liberdade, pela independência, pela soberania, mesmo à custa da própria vida, é um dever fundamental de todos nós. Como já dissemos: se no início de setembro de 1939 todos os países do mundo, de forma unida, tivessem ajudado e apoiado, mesmo militarmente, a Polônia, atacada pela Alemanha, a Segunda Guerra Mundial teria sido evitada. Mas ao não fazê-lo imediatamente, todos juntos, nos mudamos para a Bélgica, França, e todos sabemos quanto tempo durou e como terminou. Com quantos mortos e feridos.

Terminou com a intervenção dos Estados Unidos, que ao atacar a oeste da Europa, evitou o colapso da União Soviética (que foi invadida e quase derrotada pela Alemanha), que conseguiu se reorganizar, e depois contra-atacar, e chegar primeiro. e Berlim.

Também conhecemos a história, mas também conhecemos a forma como os países do bloco soviético pagaram a dívida de guerra à União Soviética, enquanto os americanos com o Plano Marshall ajudaram na reconstrução, os países ocidentais com mais de 13 bilhões de dólares na época ( atualmente seria muito mais), dinheiro doado para ajudar os países a se recuperarem. Os soviéticos limitaram-se a explorar durante anos todas as riquezas, dos países "libertados" (e depois escravizados novamente), fazendo atividades desprezíveis, crimes, deportações, tirando não só a riqueza, mas também a dignidade e a liberdade de populações inteiras, e também de sua própria população. Não esqueçamos como invadiram e mataram quem não era "comunista", como intervieram com tanques contra pessoas desarmadas, que protestavam pela fome, pelo frio e pela falta de liberdade. Queridos amigos, a liberdade é como o ar, se não existe, você não pode viver. E por algumas coisas pelas quais vale a pena morrer, a liberdade talvez esteja em primeiro lugar.

Tão desprezível quanto o nazismo está morto e enterrado, com Hitler, e o fascismo, morto e enterrado, com Mussolini. O comunismo, por sua vez, está morto e enterrado, com a queda das ditaduras: a soviética e os países orientais. A China e outros países ditatoriais ou de partido único são ligeiramente diferentes, muitas vezes dominados por máfias e oligarcas, ou mesmo por muitos líderes corruptos. São ditaduras, que primeiro e depois terão que conceder liberdade aos seus povos de uma forma ou de outra.

No entanto, ver posições contra os Estados Unidos e a OTAN, como cidadãos sem bom senso, e com uma crônica falta de neurônios em funcionamento, é uma merda, além de ternura.

Uma democracia parcial (porque a verdadeira democracia é praticada apenas por nós), presente nos Estados Unidos, e nos países ocidentais, sempre será melhor do que uma ditadura como na Rússia, e outros países semelhantes, estar sob uma aliança como a OTAN, embora com suas falhas e suas limitações, é melhor estar sob influência russa. Um pouco de liberdade é sempre melhor do que nenhuma liberdade. Mas ainda há quem prefira o mal total ao bem parcial. Por um ódio visceral e desmotivado à sociedade capitalista, ainda que selvagem, e aos EUA, preferir o quê? Uma oligarquia, com um bando de figuras de proa, que sem nenhum mérito, controlam, dirigem e exploram toda a riqueza de países inteiros, com a população em más condições, vivendo em condições lamentáveis. Gostaria de vê-los fazendo toda essa “oposição”, contra os regimes que tanto amam daqui, vivendo nesses países. Eu gostaria de ver, se eles fossem tão corajosos, e escrevessem e se manifestassem contra Putin, vivendo na Rússia. Eles não fariam isso, porque mesmo não sendo muito inteligentes, eles se preocupam em não acabar na prisão, ou pior, serem mortos.

Veja, queridos amigos, aqui está a diferença entre quem você ama, justifica e respeita, Putin e seu povo, e quem você odeia, a OTAN, os Estados Unidos e o Ocidente, porque talvez você viva vidas tristes e tenha culpar alguém por seus fracassos.

No Ocidente, se você quiser escrever mal sobre Biden e os políticos dos países da OTAN, para desabafar suas frustrações, ou se quiser expressar sua discordância de forma pacífica, pode fazê-lo sem nenhum problema. Se você fizesse isso na Rússia, ou em outras ditaduras, eles o esmagariam com tanques, o matariam de maneiras muito inventivas ou o prenderiam. Talvez agora você entenda a diferença, e também nossas posições. Ainda há velhos comunistas, como a Rolex, que acreditam que somos todos iguais em direitos, mas não em deveres. E que para uma sociedade justa, para esses comunistas nostálgicos, toda riqueza deve ser tirada dos ricos (mesmo daqueles que são ricos e poderosos por seus próprios méritos), para dividir tudo exatamente entre todos. Seria o fim da competição, da competitividade e da meritocracia.

Concluímos esta primeira, e esperamos que seja a última parte, sobre a trágica história da invasão russa da Ucrânia, dizendo que estaremos sempre ao lado daqueles que se defendem e contra qualquer um que ataque a liberdade, a soberania, a independência e integridade territorial de outro país. Nós, ao contrário dos perdedores, em quem você vota, nunca mudamos nossas posições, com base na lógica e no bom senso. Nossas regras, nossos valores e nossos ideais foram, são e serão para sempre, decididos, aprovados, respeitados por todos que se juntam a nós. Quanto aos chamados: referendos populares, romper com um país, ser independente ou ingressar em outro país, sempre fomos a favor das autonomias locais, mas sem criar conflitos, e sem alterar fronteiras, para prevenir, e evitar qualquer violência. E também somos pelo total respeito às leis atualmente em vigor, que afirmam claramente que as fronteiras não mudam com a vontade popular. Temos vários exemplos, como Escócia, Catalunha e muitos outros países, que, mesmo que decidissem se separar, tiveram que ficar exatamente onde estavam. O mesmo, tinha que acontecer na Crimeia, o referendo, não tinha que significar invasão russa, ou mesmo secessão, mas simplesmente um maior respeito, e maior proteção das populações de origem russa, por parte das autoridades centrais ucranianas. Os tratados internacionais, como as leis nacionais, sempre os respeitaremos, e se os povos do mundo quiserem mudá-los, faremos tudo juntos, porque todos nós estaremos sempre do lado do povo. As leis, também feitas para permitir que as ex-colônias se tornem países soberanos e independentes, não prevêem a modificação de fronteiras e a desintegração dos países. Mas certamente somos a favor de qualquer autonomia local, em conformidade com as leis internacionais, nacionais e locais. Como somos pelo respeito, liberdade e proteção de todas as minorias, linguísticas, culturais, religiosas e sexuais.

Nunca, e sem razão, seremos a favor das políticas criminosas de 2, ou melhor, 3 superpotências Estados Unidos, Rússia e talvez China, que devem decidir, sobre os destinos do mundo, e o destino de países inteiros, mas apenas para suas populações. Acreditamos que a política, e toda decisão, deve pertencer às pessoas que são informadas sobre as consequências do que escolhem. E temos certeza de que se eles tivessem perguntado à população russa: você é a favor de atacar militarmente a Ucrânia? Sendo livres, honestamente informados e independentes, 99% dos russos, que são boas pessoas, teriam dito não a qualquer ação militar.

Com a esperança, do fundo do coração, de que todos tenham entendido o significado do nosso artigo, e com a garantia de que não pretendemos gastar nosso tempo explicando várias vezes nossas posições, esperamos que a paz, a segurança, o a serenidade, a liberdade e a verdadeira democracia, que traremos ao mundo, também podem mudar a mentalidade de quem fala, ou escreve sem raciocínio. Esperamos que conosco, a paz seja garantida, em todos os países do mundo. Queremos e todos devemos esperar um mundo de paz, de fraternidade entre todos os povos da terra. E este nosso ambicioso projeto político é o único no mundo que pode melhorar e mudar nosso mundo para sempre. Todos nós merecemos uma vida melhor.

Junte-se a nós e compartilhe nosso artigo com o maior número de pessoas possível. Devemos todos nos unir, imediatamente, para garantir um futuro melhor.

Com estima, respeito e amor infinito.

DirectDemocracyS, sua política, em todos os sentidos!

0
×
Stay Informed

When you subscribe to the blog, we will send you an e-mail when there are new updates on the site so you wouldn't miss them.

Russischer Einmarsch in die Ukraine
Rusya'nın Ukrayna'yı işgali
 

Comments

No comments made yet. Be the first to submit a comment
Already Registered? Login Here
Monday, 05 December 2022

Captcha Image

Main Menu

Latest News

Discover our Latest News

Official Rules. Registration and creation of personal profile. Anonmity. DirectDemocracyS, and all related projects, ...

Read More...

Based on the rules, of DirectDemocracyS, the Regulation Group was formed. Amendment proposals. Your own modifications ...

Read More...

Regulation group. The Official Rules of DirectDemocracyS, and all related projects, have been created, by various group...

Read More...

Registration, and creation of personal profiles. We receive many messages, and we need to clarify some very important c...

Read More...

One of our rules requires and obliges anyone who joins us to work, together with all of us, for about 20 minutes a day, ...

Read More...

Anyone who registers and creates a personal profile on our website, and then joins us, generally does so out of simple...

Read More...

The human being, is a social animal. The basis of the company is made up of many families. For almost all of us, the fam...

Read More...

The State, or the public sector, have always been seen as enemies, or as strict controllers, of compliance with the Law....

Read More...
No More Articles